imagem noticia

Caso Braiscompany - Polícia Civil de São Paulo pede novas prisões e inquérito é remetido para a Paraíba

02/04/2024 - Jornal o Poder

imagem noticia


Um império em ruína com proprietários e sócios presos e novas prisões decretadas. Menos de um mês após a prisão do casal Antônio Inácio da Silva Neto e Fabrícia Farias, a Polícia Civil de São Paulo pediu a prisão de mais duas pessoas envolvidas no esquema da Braiscompany. A empresa de criptomoedas é acusada de aplicar um golpe milionário no sistema financeiro, tendo lesado clientes de todo o Brasil.

Continua preso

O empresário Antônio Inácio da Silva Neto continua preso na Argentina, mas está prestes a ser deportado para o Brasil. Antônio Neto continua preso preventivamente por uma decisão da 4ª Vara da Justiça Federal em Campina Grande. A prisão ocorreu em função da Operação Halving, da Polícia Federal, em uma outra investigação. A esposa, Fabrícia Farias, esposa de Antônio, também foi alvo de mandado de prisão, mas foi liberada pela Justiça Argentina para aguardar a extradição em liberdade.

A investigação

A investigação feita pela PC paulista resultou na instauração do inquérito em junho de 2022, antes da fase ostensiva da operação da PF de fevereiro de 2023. No relatório final a PC pede as prisões do casal e de mais dois investigados, sendo eles, Mizael Moreira e Karla Roberta Pereira.

Alvo

Mizael já foi alvo da PF e condenado, em primeira instância, a 19 anos de prisão. Ele recorre do processo em liberdade e nega ter tido gerência sobre o esquema. Segundo a investigação da polícia paulista ela atuaria como ‘ Homebroker’ e teria servido como laranja, colocando em seu nome um veículo Ferrari que pertenceria a Antônio Neto.

O inquérito

O inquérito da PC de São Paulo foi concluído em fevereiro deste ano, com os indiciamentos e pedidos de prisão. Os investigadores apontam a prática de crime contra a economia popular, falsidade ideológica, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

Parecer

Em um parecer o Ministério Público paulista pediu que o caso fosse enviado para a Justiça Federal na Paraíba, onde já estão sendo processadas outras ações penais envolvendo o esquema da Braiscompany.

O juiz

O juiz Guilherme Eduardo Martins Kellner, da 2ª Vara de Crimes Tributários e Organizações Criminosas de São Paulo acolheu o pedido do MP. O procedimento foi redistribuído para a 4ª Vara da Justiça Federal em Campina.

Condenadas

Doze pessoas já foram condenadas pela 4ª Vara da Justiça Federal, inclusive Antônio Inácio (88 anos) e Fabrícia Farias (61 anos).

A investigação do MPF na Braiscompany
A operação investiga uma movimentação financeira de R$ 2 bilhões feita pela Braiscompany em criptoativos. Dois mandados de prisão foram expedidos tendo como alvos o empresário, Antônio Neto, e a esposa dele, Fabrícia Farias Campos.

Bloqueio

Na operação a Justiça Federal também determinou o bloqueio de bens e a suspensão parcial das atividades da empresa. Oito mandados de busca e apreensão foram cumpridos em Campina Grande, João Pessoa e São Paulo na primeira fase. (O Poder)

imagem noticia unica



Deseja receber O PODER e artigos como esse no seu zap ? CLIQUE AQUI.

Confira mais notícias

a

Contato

facebook instagram
Nós usamos cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência em nosso site.
Ao utilizar nosso site e suas ferramentas, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Jornal O Poder - Política de Privacidade

Esta política estabelece como ocorre o tratamento dos dados pessoais dos visitantes dos sites dos projetos gerenciados pela Jornal O Poder.

As informações coletadas de usuários ao preencher formulários inclusos neste site serão utilizadas apenas para fins de comunicação de nossas ações.

O presente site utiliza a tecnologia de cookies, através dos quais não é possível identificar diretamente o usuário. Entretanto, a partir deles é possível saber informações mais generalizadas, como geolocalização, navegador utilizado e se o acesso é por desktop ou mobile, além de identificar outras informações sobre hábitos de navegação.

O usuário tem direito a obter, em relação aos dados tratados pelo nosso site, a qualquer momento, a confirmação do armazenamento desses dados.

O consentimento do usuário titular dos dados será fornecido através do próprio site e seus formulários preenchidos.

De acordo com os termos estabelecidos nesta política, a Jornal O Poder não divulgará dados pessoais.

Com o objetivo de garantir maior proteção das informações pessoais que estão no banco de dados, a Jornal O Poder implementa medidas contra ameaças físicas e técnicas, a fim de proteger todas as informações pessoais para evitar uso e divulgação não autorizados.

fechar